domingo, 8 de janeiro de 2017

Fundação Prior Sardo aposta na prevenção das drogas lícitas e ilícitas

Para memória futura:
Reportagem publicada no jornal Solidariedade em 2009

Farol da Praia da Barra

Neste Verão [2009], até Setembro, a Fundação Prior Sardo (FPS), da Gafanha da Nazaré, está a desenvolver ações de prevenção contra as drogas lícitas e ilícitas, nos bares e noutros espaços noturnos da Praia da Barra. Aos fins de semana, a começar em Julho, uma equipa, constituída por uma técnica do serviço social, uma psicóloga e uma animadora sociocultural, vai tentar criar empatia com os jovens, distribuindo porta-chaves, autocolantes, crachás, espelhos, T-shirts e esferográficas, entre outros brindes, todos portadores de mensagens preventivas da toxicodependência. 
Fuma-(+Curte), Liberta-te+(-bebe) e previne.tua.vida… atreves-te? vão ser mensagens inseridas nas T-Shirts, em folhetos e nos brindes, desafiadoras e estimulantes para o diálogo entre os membros da equipa e os jovens frequentadores dos cafés e bares, apostando em alternativas de diversões mais saudáveis. 
A equipa, tão jovem como muitos jovens frequentadores da “noite”, vai mostrar que a diversão é possível e até aconselhável sem álcool, tabaco e demais drogas, substâncias altamente perigosas para a saúde. Ainda tentará propor bebidas, mais refrescantes, sem álcool, preparadas na hora pela própria equipa, que conta com o apoio dos proprietários dos bares, que aceitaram colaborar com este desafio da FPS. 
A ideia destas ações surge como resposta ao desafio lançado pelo último diagnóstico territorial do concelho de Ílhavo, que sugere a necessidade de intervir nas áreas da prevenção e da reinserção social, junto dos adolescentes e jovens. Nessa linha, nascem dois projectos, “previne.tua.vida” e “segue.com.vida”, que suportam o trabalho em curso no Município de Ílhavo. 
A Praia da Barra, na Gafanha da Nazaré, com vida noturna mais intensa, foi escolhida para uma intervenção mais direta e mais personalizada durante o Verão. 
Todo o trabalho é feito, aliás, em sintonia com o PORI (Plano Operacional de Respostas Integradas), do IDT (Instituto da Droga e Toxicodependência), que financia a Fundação, neste sector.

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Pela Positiva

Para Memória Futura 
Texto publicado no Correio do Vouga em 9 de janeiro de 2008

PELA POSITIVA 

Sítios e Blogs – http//www.pela-positiva.blogspot.com/ Para iniciar esta rúbrica na parte dos blogs, não poderia deixar de vos presentear com um dos melhores blogs escrito por Aveirenses. É um projecto muito interessante e deveras tentador, no sentido de que nos obriga a passar por lá todos os dias, dada a sua actualização permanente com conteúdos abrangentes e escritos pela “mão” do autor, não se limitando a copiar textos que encontra pela blogosfera, sendo este um dos requisitos que considero essênciais para a consistência e solidez de um blog. O blog do professor e diácono da nossa diocese Fernando Martins é seguramente disso exemplo. Como ele próprio afirma, o “PELA POSITIVA vai continuar a apostar, numa actualização permanente, à medida das minhas forças. O respeito pela linha definida desde a primeira hora será sempre seguido”. Posso assegurar-vos que efectivamente é verdade, dado que acompanho este projecto já há alguns anos e é claramente uma das minhas paragens habituais, quando navego pela blogosfera.

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

OBRA DA PROVIDÊNCIA ESTÁ ATENTA ÀS CARÊNCIAS DA COMUNIDADE

PARA MEMÓRIA FUTURA:
Entrevista publicada no jornal Solidariedade em 2005

Eduardo Arvins
O voluntariado molda a nossa forma 
de ser e de estar na vida

"O voluntariado molda a nossa forma de ser e de estar na vida", sublinhou Eduardo Arvins, presidente da direcção da Obra da Providência da Gafanha da Nazaré, uma IPSS que está atenta às carências da comunidade, há mais de meio século. As fundadoras, Maria da Luz Rocha e Rosa Bela Vieira, que deram os primeiros passos para a criação desta instituição em 1953, deixaram há dois meses a sua liderança, legando a quem as substituiu, como herança fundamental, o espírito de serviço a quem mais precisa.
Em entrevista ao SOLIDARIEDADE, o novo presidente da direcção da Obra da Providência fez questão de realçar que "os carismas das fundadoras" sempre o marcaram, por serem pessoas que se deram à comunidade, merecendo, por isso, "o carinho de toda a gente". "O seu testemunho é algo que queremos cultivar e perpetuar", adiantou.
Considerando que o convite que lhe foi dirigido para presidir à instituição social mais antiga da Gafanha da Nazaré o surpreendeu, não deixou de reconhecer que está a viver um desafio que não ocupava os seus horizontes, mas também acredita que "as coisas não acontecem por acaso". Nessa linha, admite que esse desafio foi motivo para reflectir sobre a importância do voluntariado e da solidariedade na sociedade.
Agora, e depois de uns tempos de conhecimento da Obra da Providência, mormente dos seus objectivos e ideário, dos contactos com as profissionais, algumas das quais estão ao serviço da instituição há cerca de 30 anos, e da adaptação às realidades quotidianas de todos os sectores, Eduardo Arvins entende que, quem quer servir os que mais precisam, tem de "estar sempre a olhar à sua volta, para descobrir as necessidades da comunidade".
A Obra da Providência nasceu, fundamentalmente, para prestar apoio a mulheres e raparigas em perigo moral, trabalho que desenvolveu, em ambiente familiar, até à revolução dos cravos, em 1974. Nessa altura, os serviços estatais fizeram saber à direcção da instituição que "os acontecimentos políticos confirmam que entramos noutra era em que a proliferação de pequenas iniciativas sem viabilidade vai terminar para dar lugar às acções programadas para a maior rentabilidade social", conforme regista a história da Obra.
Porque estas orientações das políticas sociais saídas do 25 de Abril não se coadunavam com os princípios orientadores da instituição, as fundadoras não esmoreceram, iniciando-se, de imediato, a procura de respostas a necessidades emergentes na freguesia. A partir daí, as mulheres assumiram mais empregos fora de casa, pelo que os seus filhos passaram a precisar de quem deles cuidasse. Como consequência disso, um Centro Infantil entrou em funcionamento logo em Outubro de 1975.
Eduardo Arvins e a sua equipa estão agora empenhados em descobrir novas necessidades dentro da área em que a Obra da Providência se insere e que é, primeiramente, a Gafanha da Nazaré, embora possa alargar-se a outras zonas, já que é tutelada pela Diocese de Aveiro. As valência actuais (Creche, Jardim-de-Infância, ATL e Centro de Convívio Sénior) vão continuar, "porque a realidade é a mesma no sector da infância", sendo justo sublinhar que "estão todas a dar respostas de muita qualidade", adiantou-nos o presidente da direcção.
Há, no entanto, uma valência mais recente, o Centro de Convívio Sénior, que vai ser mais dinamizado. A esperança de vida vai aumentando, "o que é muito bom", mas também é sabido que se torna urgente ajudar "os idosos a viverem com mais qualidade". Assim, a direcção quer que as pessoas, "depois da sua reforma, não esmoreçam, mas se abram a novos horizontes, convivendo umas com as outras e enfrentando novos desafios". No Centro, "há idosas que vão descobrindo capacidades pessoais, enquanto desenvolvem tarefas que nunca tinham experimentado nas suas vidas", disse ao SOLIDARIEDADE Eduardo Arvins.
Como os espaços ocupados pelo Centro de Convívio Sénior já não são suficientes, a instituição está à espera da cedência de um terreno anexo à sede da instituição pela Câmara Municipal de Ílhavo, já prometido, para aí se construírem instalações condignas, que proporcionem acções mais eficazes e mais dinâmicas, com e para gente menos jovem.
O presidente da Obra da Providência garantiu-nos, ainda, que se torna premente implementar o voluntariado na instituição, embora reconheça que o povo português é por natureza solidário. "Se olharmos à nossa volta, notaremos que há imensas oportunidades para muitas outras pessoas trabalharem como voluntárias; o serviço social é um campo onde ninguém fica de fora, porque há lugar para todos", disse.

Duas vidas ao serviço dos que mais precisam


Rosa Bela e Maria da Luz Rocha
Rosa Bela Vieira e Maria da Luz Rocha Maria da Luz Rocha e Rosa Bela Vieira, vicentinas desde 1952, são exemplo de testemunho cristão, na forma como se dão aos que mais precisam. Na Gafanha da Nazaré e arredores, não há quem não admire o seu labor diário na ajuda aos mais pobres, na procura de soluções para problemas familiares, no auxílio a doentes, no apoio a marginalizados. 
Ainda hoje, com a idade e alguns incómodos de saúde a dificultarem-lhes a acção, estas duas MULHERES (Com letras maiúsculas, como se vê) não deixam de visitar quem precisa das suas palavras amigas e encorajadoras, dos seus conselhos e conhecimentos oportunos e das suas sugestões, para que se descubram as melhores respostas aos problemas encontrados.
Inspiradas pelo espírito vicentino, que abraçaram como poucos, em 1953 iniciaram na Gafanha da Nazaré a ajuda a raparigas em perigo moral, a mães solteiras marginalizadas pelas famílias e a mulheres marcadas pelo estigma da prostituição. Nasce assim uma instituição que procura, em ambiente acolhedor, ser família de quem não tinha família, recebendo mulheres e seus filhos pequenos. 
Devidamente acompanhas pelas fundadoras e por muitos outros voluntários, as mulheres e raparigas eram envolvidas por todo um espírito de família, de trabalho, de convívio e de amor. Dali saíam casadas, com empregos e com coragem para enfrentarem a vida, todas elas ficando gratas à instituição que lhes deu a mão.
Mesmo depois de a Obra da Providência se voltar para outras carências da comunidade, Maria da Luz Rocha e Rosa Bela Vieira nunca deixaram de olhar para as raparigas e mulheres em perigo moral. Mas se já não as podem acolher e ajudar no dia-a-dia, por falta de espaços e de meios, ainda sabem muito bem encaminhá-las para outras instituições mais vocacionadas para este serviço social.

Fernando Martins

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

João Álvaro Ramos — Organista há 50 anos

A Gafanha da Nazaré está cheia 
de muitos e bons músicos
À espera da hora de encher a igreja de melodias

Na hora de tocar

No momento do café
João Álvaro Teixeira da Rocha Ramos, 65 anos, casado com Maria Ondina, tem dois filhos e dois netos, é engenheiro eletrotécnico aposentado e organista há 50 anos, fundamentalmente na paróquia da Gafanha da Nazaré.
Começou muito cedo a gostar da música. Acompanhava regularmente sua mãe e tias, respetivamente, Dona Vitória, Menina Aurélia (como era tratada com carinho) e Dona Maria, as conhecidas Caçoilas, ao terço e à missa. Eram pessoas muito devotas e sempre participavam nos grupos corais.
Quando terminou o Ensino Primário, o João Ramos ingressou no seminário, tendo frequentado as aulas em Calvão e em Aveiro, durante quatro anos. Aí recebeu lições de música dos padres Redondo, Arménio e Valdemar, mas foram os dois primeiros os que mais o marcaram. O padre Redondo, porém, foi o mais importante até porque era organista nas missas solenes, em latim, que se celebravam na igreja matriz da Gafanha da Nazaré, cujo coral era ensaiado e dirigido pelo mestre Manuel Maria da Rocha Fernandes Júnior — o senhor Rocha.
Aprendeu solfejo e começou a tocar por música, mas com o decorrer dos anos reconhece que tem bom ouvido para não precisar da pauta. Tantos anos a tocar deram-lhe esse dom de se sentar ao órgão e começar logo, afinado, nos tons precisos, para os corais, por esta forma, louvarem a Deus com lindíssimas melodias.
Evoca, decerto com saudades, algumas pessoas de quem foi mais próximo nesta sua colaboração na paróquia. Para além do padre Redondo e do senhor Rocha, a sua mãe e tias, as Crisantas (duas irmãs), A Dona Arminda Ribau, a Dona Arminda Gandarinho e o senhor José Elviro, com voz de baixo, entre muitos outros. Recorda os Tríduos e festas com missas cantadas, sublinhando o empenho de todos os participantes.
O João Ramos, com tantos anos de organista, praticamente só precisa do treino próprio dos ensaios para acertar os cânticos, que o resto já ele sabe de cor. Mas não se julgue que ele somente tocou e toca órgão na igreja matriz, pois já colaborou com os corais da Sé de Aveiro e da igreja da Chave.
Sobre os músicos que mais aprecia, o João Álvaro Ramos diz que gosta muito de Mozart, mas a sua preferência vai fundamentalmente para Bach. «A música de Bach é a que mais nos aproxima do divino; a música traduz sentimentos sobrenaturais, enquanto nos eleva; Bach atingiu o expoente mais elevado.» E quanto a organistas, realça: «o que mais gosto de ouvir tocar Bach, neste momento, é o alemão Hans Andre Stamm; passo horas a ouvi-lo em casa».
Sublinha que a música faz parte da sua vida, «ora como executante, ora como ouvinte». Reforça a ideia da importância das artes musicais, dizendo que «a vida é música», e acrescenta: «A música é a arte de produzir sons agradáveis ao ouvido, mas há por aí tanta desagradável...»
Garante que é necessário ter uma certa inclinação para executar qualquer instrumento, mas adianta que é preciso treinar muito. «É fundamental a prática diária de várias horas e ter um certo dom, mas 99 por cento é suor.» E diz que «a mesma música tocada em dias diferentes para públicos diferentes também é diferente, conforme a inspiração do executante na altura».
João Álvaro sublinha que a Gafanha da Nazaré está cheia de muitos e bons músicos e diz que no coral em que é organista há a preocupação de respeitar as normas litúrgicas.
Não se julgue, porém, que o João Álvaro Ramos ficou apenas pela música litúrgica. Não, ele teve e ainda tem uma vida cheia de música. Participou em grupos que atuaram na Mini-Feira Popular organizada pelo Padre Miguel Lencastre, na década de 70 do século passado, com o sentido de aproximar os paroquianos dos diversos lugares. Foi um dos fundadores do grupo “Pop-Men” nos anos de 1966/67, atuou numa Tuna na Gafanha da Nazaré que «morreu ao nascer», e presentemente faz parte no grupo de Fados de Coimbra, onde pontificam, para além do João, os irmãos Serafins (José Maria e Manuel) e o Rogério Fernandes, entre outros. Uns saem por motivos pessoais enquanto entram outros, sobretudo para cantar.
Enquanto professor, o João Álvaro, que passou por Albergaria, Estarreja, Gafanha, Aveiro e Vila Pouca de Aguiar, fez questão de se envolver na música. E sobre os seus antepassados, diz que o seu avô Ramos tocava flauta, instrumento que ainda conserva em sua casa com muito carinho, havendo também músicos do lado dos Teixeiras. E em casa, com os seus irmãos, quando eram mais novos, até tocavam jazz.
Gosta do cavaquinho e com amigos (Manuel Correia e Eneida, Odete, Lisete, Custódia, João Roque e esposa), em bons convívios, tocam «umas cavacadas».
Fernando Martins

Nota: Entrevista para o jornal Timoneiro

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Filarmónica Gafanhense em festa no dia 23 de outubro

Filarmónica Gafanhense aposta num ciclo novo 
nas celebrações dos 180 anos da sua existência


Paulo Miranda

Banda na festa da Senhora dos Navegantes
Música Velha na Festa da Senhora dos Navegantes
Jovens executantes
As direções das duas instituições da Gafanha da Nazaré vocacionadas para o ensino da música, concretamente a Filarmónica Gafanhense e a Escola de Música Gafanhense, decidiram, de comum acordo, juntar-se, predominando o nome da primeira, que perfaz, no próximo dia 23 de outubro, 180 anos de existência. Nesse dia, a Filarmónica apresentará, num concerto a realizar no Centro Cultural, o novo fardamento que importará em 15 mil euros. Estas informações foram-nos reveladas pelo presidente da direção da Música Velha, como também é conhecida a Filarmónica Gafanhense, Paulo Miranda, que pretende imprimir à banda um novo ciclo.
Paulo Miranda considera a Casa da Música, em reconstrução e adaptação pela Câmara Municipal de Ílhavo (CMI), uma mais-valia para a banda, já que o novo espaço oferecerá melhores condições para o ensaio da filarmónica e para o ensino da música e execução dos diversos instrumentos, não faltando salas para os arquivos e exposição do espólio da instituição, incluindo a sua história, recortes de jornais e outra literatura alusiva à filarmónica, bem como velhos instrumentos musicais, fardas de outras épocas e tudo o que ainda possa vir a ser recolhido.
O presidente da associação mais antiga do nosso concelho revelou ao “Timoneiro” que, quanto a concertos e participação em festas, «o ano está bem preenchido», com saídas sobretudo aos fins de semana, em especial para o Norte do país, região «mais católica de Portugal». Sendo conhecido que nas festas populares os mordomos se voltam mais para os conjuntos musicais, a verdade é que, nas procissões e missas, as bandas continuam presentes, havendo concertos em alguns casos. 
Paulo Miranda adiantou que os contratos com as mordomias ficam marcados, em várias situações, com um ano de antecedência, como aconteceu recentemente. A Filarmónica Gafanhense, que atuou na Festa de Nossa Senhora do Carmo, em Aveiro, já registou, na sua agenda, a participação nas festas do próximo ano.
O orçamento anual da Música Velha ronda os 50 mil euros, o que leva a direção a desenvolver ações no sentido de angariar fundos para poder pagar ao maestro, Paulo Margaça, professor no conservatório, aos professores e a músicos, mas também para poder adquirir instrumentos para os executantes, já que a renovação é uma constante. Os instrumentos são caros, rondando os dois, três ou quatro mil euros, ou mais, conforme a qualidade dos mesmos.

sexta-feira, 29 de julho de 2016

À conversa com José Vareta

Os estaleiros deram outra vida e outra alma à Gafanha da Nazaré

José Vareta
José Vareta com um foquim
Alguns trabalhos
Conversar com um idoso é ler um livro carregado de vivências, histórias, pessoas, experiências e testemunhos de tempos idos. Daí o nosso gosto por encontros marcados ou fortuitos com pessoas menos jovens que ocupam os dias com atividades sadias, longe do bulício abafado que a sociedade por vezes nos oferece.

Um dia destes fomos ao encontro de José Vareta, 85 anos, carpinteiro naval, um dos raros sobreviventes da geração da construção de navios de madeira. Trabalhou desde os 15 anos nos estaleiros do Mestre Manuel Maria Bolais Mónica, porventura o mais conhecido construtor naval de lugres e outros barcos de madeira do nosso país. 
Dos estaleiros Mónica saíram navios que marcaram gerações pela harmonia das suas linhas e enquadramento das suas velas. Mas para José Vareta, o navio que mais o encantou foi, sem sombra de dúvidas, o “Celeste Maria”, «um barco muito lindo, muito lindo, muito bem lançado», curiosamente saído da arte de mestre Benjamim Mónica, irmão do mestre Manuel Maria. Aliás, o próprio Mestre Manuel Maria considerava o seu irmão Benjamim muito mais artista do que ele.
José Vareta fala do Mestre Mónica e do estaleiro, que o herdou de seu pai, também construtor naval, sublinhando que este estaleiro «deu outra vida e outra alma à Gafanha da Nazaré», empregando muita gente, o que contribuiu para o desenvolvimento da nossa terra a vários níveis.
Naquele tempo, «a Gafanha sem estaleiros não era nada», disse. Evocou outros estaleiros de outros tantos mestres que entretanto se foram estabelecendo à volta uns dos outros.
Recorda artistas do seu tempo, reconhecendo que, presentemente, tudo está mais simplificado com novas ferramentas, que poupam muita mão de obra. E fala dos serradores oriundos da Tocha, onde se usava bastante a «serra braçal, com um serrador em cima do tronco e outro em baixo», trabalhando sincronizados e sem saírem dos traços previamente definidos.
O nosso entrevistado foi debitando memórias, fazendo um retrato da vida de há décadas. Referiu que os pinheiros, escolhidos a dedo pelo mestre, conforme o que deles se pretendia, chegaram a vir da zona da Guarda.
Depois de reformado, aos 65 anos, ainda continuou a trabalhar até aos 70 anos. Fez parte do grupo que construiu o navio que está no Museu Marítimo de Ílhavo, chamado “Faina Maior”, sob a direção do capitão Francisco Marques, que foi diretor do museu ilhavense. Trata-se de um navio com as dimensões normais para a pesca à linha, nos botes. «O barco teve de ser feito no sítio próprio porque não cabia pelas portas do museu», sublinhou José Vareta. 
Finalmente fixa-se em casa e para passar o tempo dedica-se à construção de miniaturas de barcos e outros apetrechos de madeira. Recusa liminarmente sentar-se num qualquer banco sem nada fazer, referindo que, quando está a trabalhar, vai recordando a sua vida profissional que lhe deu muitas alegrias. Diz que não podemos parar e que «devemos ocupar o tempo livre de forma saudável, fazendo coisas úteis que nos façam reviver». E evocou com saudade o capitão Francisco Marques, «um homem com muitos conhecimentos, muito saber e muito simples».

Fernando Martins

sábado, 9 de julho de 2016

Alda Casqueira Fernandes em entrevista ao Timoneiro

“Canta Comigo, Leio Contigo” 
levou histórias e música 
a três mil crianças durante o presente ano letivo 

Alda - A artista
Alda - Apresentação do projeto
Alda - Encontro com marina à vista
Alda com a filha Alice
Alda connosco 
Quando desembarquei do avião que me levou até S. Miguel, Açores, ocorreu-me a ideia de entrevistar um conterrâneo nosso ali radicado, desde que tivesse uma história de vida interessante para partilhar com os leitores do Timoneiro. Mal as redes do ciberespaço denunciaram a nossa estada em Ponta Delgada, logo surgiu, com toda a naturalidade, a Alda Casqueira Fernandes, Educadora de Infância, casada com um transmontano, uma filha e residente em S. Miguel desde 2001. Aprazado o encontro para uma esplanada, com vista para a Marina, a Alda surgiu sorridente e notoriamente satisfeita para uma conversa com “gente da nossa terra”, que “soube a pouco”, no dizer dela.

«Vivo em São Miguel, desde setembro de 2001, fará no dia 27 de setembro 15 anos que aterrei aqui pela primeira vez. Foi também a primeira vez que andei de avião e fi-lo logo após o fatídico 11 de setembro, o que tornou esta minha experiência marcante, pois quem me levou ao aeroporto não me pôde acompanhar até ao embarque», disse. E acrescentou que não foi difícil a adaptação, pois foi acolhida por colegas e amigas de curso, nomeadamente, uma da Gafanha da Nazaré e outra de Fermentelos. «O ambiente escolar era agradável e fui muito bem recebida. O que me custou mais foi abandonar a família e a minha vida das canções. Foram esses os motivos que mais me prenderam e me impediram de vir para cá, mal terminei o meu curso. Mas alguma vez tinha de ser», afirmou.

sexta-feira, 3 de junho de 2016

A excursão

Um texto de Joaquim Duarte 



São decorridos uns bons 30 [60] anos, a passar, desde que se fez aquela excursão ao Sul, organizada pelo Mestre Rocha, figura ímpar da Gafanha, homem de acção, e a quem se deveu, pode dizer-se, o primeiro estudo aéreo fotográfico da Gafanha da Nazaré! Tratando-se, embora, de um homem de reduzidas habilitações literárias, soube valorizar-se à custa de grande esforço. Na sua humildade, mas de personalidade bem vincada, dominou muitos anos a política local, desempenhando a preceito o papel de presidente da Junta de Freguesia. Na Aviação, em S. Jacinto, soube guindar-se pelo seu aprumo e saber — era um excelente artífice — até chegar ao posto de Mestre entre o pessoal civil que, ao longo de várias décadas, tem dado o melhor do seu esforço, primeiro no Ministério da Marinha e depois, como actualmente, à Força Aérea. 
O Mestre Rocha, para além disto tudo, e daquilo que fica por mencionar, era ainda um excelente organizador, como provou na excursão que fizemos, e eu também tive oportunidade de seguir viagem ­— integrado à última hora por falta de confirmação de uns tantos.
A fotografia que ilustra o texto mostra algumas figuras da Gafanha, umas ao serviço da Aviação e outras que se integraram talvez pelas mesmas razões a substituir os faltosos…
Alguns nomes citados ao acaso, e sem preocupação de prioridade, poderão ajudar o provável leitor a descobrir na foto, esvaída pelo tempo, algumas dessas figuras. O Merendeiro, de cócoras ao meio, o Catraio, pintor, as manas Caleiro, o Cirino, cunhado do Júlio de Aveiro, que se encontra nos Estados Unidos, o Batista, pintor, muito da casa do Dr. Ribau, ao lado da mulher, o João, alfaiate, que morava lá para os lados da Cale da Vila, o autor destas linhas [Joaquim Duarte] metido entre o Batista e o João Pinto Reis, recentemente falecido. Penso que a foto foi tirada pelo então sargento Pinheiro, como se pode avaliar pela presença da esposa. Outros ainda como o João, fundidor, que vive em Aradas, o Carvalho latoeiro, as consortes …
Julgo que a fotografia foi tirada em Colares e falta aqui o Professor Ramos, que também ia na excursão e quase nos fez perder tempo no cumprimento do horário — o Mestre Rocha era compreensivo — quando o Senhor Professor ficou estático a admirar as ruínas de Conímbriga e nada fazia retirá-lo da posição de postura, sonhando talvez, com a ida e vinda dos romanos pelas galerias a descoberto!
Tempos que foram e jamais voltam, mas que marcam um período, uma época, de desenvolvimento da Gafanha…

Joaquim Duarte

Nota: Texto e foto publicados no “Boletim Cultural” da Gafanha da Nazaré, n.º 3, com data de 1989.

terça-feira, 10 de maio de 2016

Artesanato: Hortência Margaça aposta no mundo infantil


Hortência Margaça, artesã da Gafanha da Nazaré, aposta no mundo infantil, seja para uso de crianças, seja para brincar ou decorar. Trabalha imenso, porque precisa de governar a vida. Não é pessoa acomodada. Um dia encheu-se de coragem e resolveu enfrentar as dificuldades que lhe surgiram no caminho. O artesanato criativo foi a sua opção.
Encontrámos a Hortência, mais conhecida por Batita entre familiares e amigos, numa exposição-feira de artesanato no Glicínias, em Aveiro, em hora de atendimento de clientes, que passaram, viram, pararam e compraram. Depois falámos com ela e compreendemos o seu entusiasmo pelo que faz e pelo que projeta fazer. Não revelou as suas ideias na íntegra. Contudo, percebemos que vai apostar em criações didáticas. O resto será segredo, por enquanto.
A Hortência começou a bordar aos seis anos e a seguir enfrentou desafios maiores, passando por pontos e mais pontos de costura, Arraiolos e a confeção de bonecas de todos os tamanhos e feitios, mas também para todos os gostos e preços. E de tal modo se tornou conhecida e apreciada nesta área, como em outras, que a Editorial Nascimento até a convidou para fazer uma edição de costura criativa, intitulada “Costura Bonecas 2”, na qual apresentou diversos modelos e moldes, com tudo exemplificado, passo a passo. Em março saiu outra revista, “Feltro”, com artes decorativas. Ambas completamente preenchidas com as suas criações.

quinta-feira, 14 de abril de 2016

Carlos Sarabando: O homem não pode ser uma ilha na sociedade

Carlos Sarabando Bola
Carlos Sarabando Bola, 76 anos, casado com Maria Madalena Gonçalves Anastácio, a sua Lena, dois filhos e netos, foi agraciado pela Câmara Municipal de Ílhavo no Dia do Município, segunda-feira da Páscoa, com uma condecoração honorífica — Medalha do Concelho em Vermeil —, por se dedicar «desde muito novo ao voluntariado, dando o melhor de si na construção de um Município sólido e próspero, através da sua participação ativa em várias associações culturais, sociais, desportivas e religiosas, em que foi dirigente, sempre com o espírito de serviço à comunidade e inquestionável amor à causa», como reza a nota lida na cerimónia camarária.
«O mérito que me foi atribuído pela CMI não é só meu porque devo muito à minha mulher, a Lena, que me acompanha na vida com o seu apoio; quantas vezes, quando eu estava desanimado e com vontade de sair de tantas ocupações, era ela que me estimulava a continuar, dando-me uma força especial para eu prosseguir», garante-nos o Carlos Sarabando.

quinta-feira, 31 de março de 2016

Recordando: II Congresso da CNIS

Há muitos portugueses que se entregam, 
com entusiasmo, 
ao serviço dos feridos da vida

No Gabinete de Imprensa
Tive o privilégio de participar, como convidado, no II Congresso da CNIS (Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade Nacional), que se realizou em Fátima no último fim de semana de janeiro de 2006. E digo que foi um privilégio porque tive o grato prazer de reencontrar centenas de dirigentes e funcionários das IPSS, que há muitos anos se dão, com total entrega, à causa da solidariedade social no nosso País. 
Quando se prega que a nossa sociedade é egoísta, onde cada um procura resolver os seus problemas, muitas vezes pisando quem encontra pela frente, é justo sublinhar o trabalho e o esforço de tantos dirigentes que vivem, no dia-a-dia, o voluntariado, sempre em favor dos feridos da vida. 
Foram essas pessoas, de todas as idades, que, durante dois dias, equacionaram obstáculos e formas de os ultrapassar, que trocaram experiências no sentido do enriquecimento mútuo, que encontraram outras e bem diversas realidades, que se indignaram com a lentidão com que os problemas da solidariedade social são resolvidos, com o abandono a que são votadas instituições, por parte de departamentos estatais. 
Foi gratificante sentir e ficar a saber que as IPSS portuguesas representam uma “expressão única na Europa”, obviamente pela positiva, que houve gente que saiu do congresso com vontade de fazer mais e melhor na luta contra pobreza, contra a marginalidade, contra as dependências e contra a solidão de tantos. 
Foi muito bonito ver gente jovem a dialogar com os mais velhos, uns e outros aprendendo e ensinando, numa perspetiva de criarem, nas suas instituições, alternativas a processos talvez obsoletos, ou de responderem a novos desafios que a sociedade e as pessoas vão sentindo, não raro envergonhadamente. 
Por tudo isso, valeu a pena ter estado dois dias com tanta gente generosa e de sorriso franco, e com muito optimismo em relação ao futuro. 

Fernando Martins 

Janeiro | último fim de semana | 2006

quarta-feira, 16 de março de 2016

Rosa Elvira: Nem à mesa se fala por causa da televisão

 Uma servidora da igreja de São Pedro há 25 anos

Rosa Elvira Teixeira
Rosa Elvira Teixeira, 87 anos, está ao serviço da Igreja de São Pedro da Cale da Vila, Gafanha da Nazaré, há 25 anos. Tem a responsabilidade de abrir a igreja antes das cerimónias, de cuidar com outras pessoas da limpeza e asseio do templo e de preparar tudo para a celebração da Eucaristia. E depois de os serviços litúrgicos terminarem não regressa a casa, mesmo ao lado da igreja, sem antes verificar se fica tudo em ordem. Recebeu este mandato, como faz questão de explicar, de seu pai, José Fernandes Casqueira, mais conhecido por José Parrachoche, primeiro sacristão da igreja de São Pedro. 
Garante, para que não haja dúvidas, que tudo faz de graça, pelo «carinho especial que tem pela capela [é assim que se refere à igreja] de São Pedro», mas ainda por querer cumprir o pedido de seu pai, na altura adoentado. Faleceu aos 95 anos, tendo sido o mais velho trabalhador durante a construção do novo templo, sendo pessoa muito respeitada na Gafanha da Nazaré.

terça-feira, 15 de março de 2016

Nossa Senhora dos Navegantes

27 vídeos no You Tube


«A festa de Nossa Senhora dos Navegantes tem como maior atracção a procissão náutica pela Ria de Aveiro, num itinerário com início no Cais dos Bacalhoeiros e termo no Forte da Barra, contornando todo o porto de pesca longínqua («bacalhoeiro»), terminal industrial e o novo porto comercial.
Realiza-se no terceiro domingo de Setembro.»

Gafanha da Nazaré, Ílhavo, Aveiro

Ver Comunidade Portuária de Aveiro

domingo, 13 de março de 2016

Almoços para estimular o sentido de partilha

No Centro de Recursos Mãe do Redentor 

Voluntários - Cozinha
No passado domingo, 28 de fevereiro, realizou-se mais um almoço comunitário, no Centro de Recursos Mãe do Redentor. Salão cheio para 170 refeições, a 15 euros por pessoa, cujo lucro económico reverterá para as múltiplas despesas de uma comunidade católica ativa como a da Gafanha da Nazaré. Dizemos económica porque há outras vertentes tão ou mais importantes do que o dinheiro. Referimo-nos, concretamente, como bem salientou o Padre César Fernandes, ao espírito de partilha e de unidade, envolvendo pessoas de todos os lugares da paróquia. Mas ainda há uma mesa, de há dois anos para cá, de paroquianos da Encarnação, os quais se mostram gratos desta forma pela maneira como o povo da Nazaré colaborou em iniciativas do género daquela paróquia, em prol da igreja da Senhora da Encarnação.

Aspeto do salão
Entrámos na cozinha perto das 13 horas. Ia iniciar-se a refeição e a azáfama era enorme naquele espaço fulcral, porque o desejo de quem ali trabalha tem sido o de servir muito bem, porque é fundamental estimular o gosto de estar presente nestes almoços.
Custódia Lopes, que colabora nesta tarefa há bons anos, disse que os trabalhos começam na sexta-feira anterior, com a preparação do salão, e no sábado a cozinha entra em ação com os cozinhados e outros preparativos. 
Para este almoço, a azáfama começou no sábado. O chefe da equipa, Manuel Sardo, fez a aquisição dos ingredientes necessários, e toda a gente entrou em funções, sem margem para erros. A sopa de legumes fica por conta do chefe, «que não deixa ninguém pôr lá as mãos», garante a Custódia. 
O “bacalhau à chefe”, que é passado por farinha e ovo, com uma pequena fritura, vai depois ao forno, a que se acrescenta uma cebolada. É acompanhado com batata cozida. Afirma a Custódia que as sobremesas tinham salada de frutas e doces oferecidos por alguns participantes. Vinhos e sumos são da conta da organização.

Serviço das mesas
Operam na cozinha seis pessoas e cinco no serviço das mesas. 
À volta dos tachos estava a Maria José, que alinha nesta cooperação desde que Manuel Sardo assumiu os almoços comunitários. E garante, com sorriso aberto, que na cozinha a sua especialidade «é fazer o que for preciso». Aliás, o sorriso era apanágio de toda a equipa. 
A Maria José faz isto com gosto, tal como o seu marido e os demais que por ali se movimentam apressados, mas com ordem. Falou sem suspender o que estava a fazer.
Carlos Sardo dirige o serviço das mesas, sublinhando que a missão de todos é oferecer «o melhor possível para que todos se sintam bem e com vontade de voltar». «Há o cuidado de cozinhar com qualidade e de apresentar os pratos com gosto», frisou. E acrescenta que cada servidor das mesas atende 30 a 40 pessoas. 
Sobre a animação, que porventura possa haver, Carlos Sardo adianta que só existe quando há alguém disponível para tocar e cantar.
Luís Conceição, que participa na qualidade de membro do agrupamento dos escuteiros, diz que vem ajudar para bem da comunidade, «sempre que necessário», reconhecendo que «o convívio aproxima as pessoas e desenvolve o sentido de partilha». Lembrou ainda que, como escuteiro, está «Sempre Alerta para servir». E refere que gosta desta organização, salientando: «Em equipa que serve bem não se mexe, mas pode ser reforçada.»

Fernando Martins

Nota: Texto publicado no Timoneiro; Fotos de Custódia Lopes

terça-feira, 1 de março de 2016

Unção dos doentes e idosos na igreja matriz

É difícil aliviar o sofrimento dos doentes, 
mas não é impossível minimizar as suas dores

Doentes e idosos 


Padre César
Padre Sarrico 

«É nossa missão neste mundo dar frutos de bondade, de misericórdia, de ternura, de amor, de acompanhamento do outro e de porto de abrigo para aqueles que estão em situações mais débeis», afirmou o nosso prior, Padre César Fernandes, na homilia da Eucaristia dedicada aos doentes e idosos da nossa paróquia, celebrada no domingo, 28 de fevereiro, pelas 11h15, na igreja matriz. Com o nosso prior, concelebrou o Padre João Sarrico. Foi uma Eucaristia especial, porque nela foi ministrado o sacramento da Unção dos Doentes. 
Alguns idosos e doentes mais debilitados foram ajudados na deslocação à nossa igreja pelos seus familiares. Utentes do Lar Nossa Senhora da Nazaré também participaram, por expressa vontade dos mesmos, contando com a ajuda de dirigentes e funcionários, que neste dia, fora das horas de serviço, levaram à prática o seu espírito de voluntariado.