segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Filarmónica Gafanhense em festa no dia 23 de outubro

Filarmónica Gafanhense aposta num ciclo novo 
nas celebrações dos 180 anos da sua existência


Paulo Miranda — Presidente da Filarmónica

Filarmónica Gafanhense
Banda na festa da Senhora dos Navegantes
Música Velha na Festa da Senhora dos Navegantes
Jovens executantes
As direções das duas instituições da Gafanha da Nazaré vocacionadas para o ensino da música, concretamente a Filarmónica Gafanhense e a Escola de Música Gafanhense, decidiram, de comum acordo, juntar-se, predominando o nome da primeira, que perfaz, no próximo dia 23 de outubro, 180 anos de existência. Nesse dia, a Filarmónica apresentará, num concerto a realizar no Centro Cultural, o novo fardamento que importará em 15 mil euros. Estas informações foram-nos reveladas pelo presidente da direção da Música Velha, como também é conhecida a Filarmónica Gafanhense, Paulo Miranda, que pretende imprimir à banda um novo ciclo.
Paulo Miranda considera a Casa da Música, em reconstrução e adaptação pela Câmara Municipal de Ílhavo (CMI), uma mais-valia para a banda, já que o novo espaço oferecerá melhores condições para o ensaio da filarmónica e para o ensino da música e execução dos diversos instrumentos, não faltando salas para os arquivos e exposição do espólio da instituição, incluindo a sua história, recortes de jornais e outra literatura alusiva à filarmónica, bem como velhos instrumentos musicais, fardas de outras épocas e tudo o que ainda possa vir a ser recolhido.
O presidente da associação mais antiga do nosso concelho revelou ao “Timoneiro” que, quanto a concertos e participação em festas, «o ano está bem preenchido», com saídas sobretudo aos fins de semana, em especial para o Norte do país, região «mais católica de Portugal». Sendo conhecido que nas festas populares os mordomos se voltam mais para os conjuntos musicais, a verdade é que, nas procissões e missas, as bandas continuam presentes, havendo concertos em alguns casos. 
Paulo Miranda adiantou que os contratos com as mordomias ficam marcados, em várias situações, com um ano de antecedência, como aconteceu recentemente. A Filarmónica Gafanhense, que atuou na Festa de Nossa Senhora do Carmo, em Aveiro, já registou, na sua agenda, a participação nas festas do próximo ano.
O orçamento anual da Música Velha ronda os 50 mil euros, o que leva a direção a desenvolver ações no sentido de angariar fundos para poder pagar ao maestro, Paulo Margaça, professor no conservatório, aos professores e a músicos, mas também para poder adquirir instrumentos para os executantes, já que a renovação é uma constante. Os instrumentos são caros, rondando os dois, três ou quatro mil euros, ou mais, conforme a qualidade dos mesmos.
O presidente sublinhou a importância do protocolo que a CMI estabeleceu com a banda, a qual recebeu, este ano, 10 mil euros da autarquia, ficando acordado que a Filarmónica tem de participar em eventos, a solicitação da câmara. Assim tem sido no feriado municipal e no Festival do Bacalhau. Contudo, os rendimentos da banda vêm da participação em festas religiosas, de concertos e festas que organiza, como recentemente aconteceu com o “Porco no Espeto” e com os “Santos Populares”, programada, esta última, em substituição do arraial da festa de S. Pedro, padroeiro da igreja da Cale da Vila, que este ano não se realizou. O rendimento líquido dos “Santos Populares” foi de 2300 euros, garantiu-nos.
Paulo Miranda fez questão de lembrar que a Junta de Freguesia, mesmo sem protocolos assinados, não deixa de apoiar, mostrando-se atenta às despesas e dificuldades da Filarmónica Gafanhense.
Para além das iniciativas já levadas a cabo, a Música Velha vai apostar em tornar-se mais visível junto das populações, estando assente visitar as escolas, provavelmente no princípio do próximo ano letivo, para que os alunos fiquem a conhecer esta instituição. «Tudo será conjugado com os professores de música», tendo como objetivo fundamental «angariar alunos para a nossa Escola de Música». E acrescentou: «Queremos cada ano admitir pelo menos cinco alunos na banda.»
Sobre a contratação de músicos para certas atuações, o presidente da direção esclareceu que, em determinadas épocas do ano, há executantes que adoecem ou têm compromissos com as empresas em que trabalham, pelo que se torna imperioso contratar alguns. E adiantou que há mordomias que exigem bandas com 50 músicos, por exemplo, mas também acontece que a direção sente necessidade de apresentar a filarmónica com bastantes executantes e bem afinados, sobretudo para se impor no mercado das contratações. 
O presidente Paulo Miranda frisou que as filarmónicas são, muitas vezes, os primeiros passos para carreiras musicais de nível superior. Há músicos que passam a frequentar os conservatórios, tornando-se executantes, professores e maestros de sucesso, no país e no estrangeiro. 

Fernando Martins

Notas:
1. Fotos dos meus arquivos;
2. Entrevista publicada no jornal Timoneiro.

sexta-feira, 29 de julho de 2016

À conversa com José Vareta

Os estaleiros deram outra vida e outra alma à Gafanha da Nazaré

José Vareta
José Vareta com um foquim
Alguns trabalhos
Conversar com um idoso é ler um livro carregado de vivências, histórias, pessoas, experiências e testemunhos de tempos idos. Daí o nosso gosto por encontros marcados ou fortuitos com pessoas menos jovens que ocupam os dias com atividades sadias, longe do bulício abafado que a sociedade por vezes nos oferece.

Um dia destes fomos ao encontro de José Vareta, 85 anos, carpinteiro naval, um dos raros sobreviventes da geração da construção de navios de madeira. Trabalhou desde os 15 anos nos estaleiros do Mestre Manuel Maria Bolais Mónica, porventura o mais conhecido construtor naval de lugres e outros barcos de madeira do nosso país. 
Dos estaleiros Mónica saíram navios que marcaram gerações pela harmonia das suas linhas e enquadramento das suas velas. Mas para José Vareta, o navio que mais o encantou foi, sem sombra de dúvidas, o “Celeste Maria”, «um barco muito lindo, muito lindo, muito bem lançado», curiosamente saído da arte de mestre Benjamim Mónica, irmão do mestre Manuel Maria. Aliás, o próprio Mestre Manuel Maria considerava o seu irmão Benjamim muito mais artista do que ele.
José Vareta fala do Mestre Mónica e do estaleiro, que o herdou de seu pai, também construtor naval, sublinhando que este estaleiro «deu outra vida e outra alma à Gafanha da Nazaré», empregando muita gente, o que contribuiu para o desenvolvimento da nossa terra a vários níveis.
Naquele tempo, «a Gafanha sem estaleiros não era nada», disse. Evocou outros estaleiros de outros tantos mestres que entretanto se foram estabelecendo à volta uns dos outros.
Recorda artistas do seu tempo, reconhecendo que, presentemente, tudo está mais simplificado com novas ferramentas, que poupam muita mão de obra. E fala dos serradores oriundos da Tocha, onde se usava bastante a «serra braçal, com um serrador em cima do tronco e outro em baixo», trabalhando sincronizados e sem saírem dos traços previamente definidos.
O nosso entrevistado foi debitando memórias, fazendo um retrato da vida de há décadas. Referiu que os pinheiros, escolhidos a dedo pelo mestre, conforme o que deles se pretendia, chegaram a vir da zona da Guarda.
Depois de reformado, aos 65 anos, ainda continuou a trabalhar até aos 70 anos. Fez parte do grupo que construiu o navio que está no Museu Marítimo de Ílhavo, chamado “Faina Maior”, sob a direção do capitão Francisco Marques, que foi diretor do museu ilhavense. Trata-se de um navio com as dimensões normais para a pesca à linha, nos botes. «O barco teve de ser feito no sítio próprio porque não cabia pelas portas do museu», sublinhou José Vareta. 
Finalmente fixa-se em casa e para passar o tempo dedica-se à construção de miniaturas de barcos e outros apetrechos de madeira. Recusa liminarmente sentar-se num qualquer banco sem nada fazer, referindo que, quando está a trabalhar, vai recordando a sua vida profissional que lhe deu muitas alegrias. Diz que não podemos parar e que «devemos ocupar o tempo livre de forma saudável, fazendo coisas úteis que nos façam reviver». E evocou com saudade o capitão Francisco Marques, «um homem com muitos conhecimentos, muito saber e muito simples».

Fernando Martins

sábado, 9 de julho de 2016

Alda Casqueira Fernandes em entrevista ao Timoneiro

“Canta Comigo, Leio Contigo” 
levou histórias e música 
a três mil crianças durante o presente ano letivo 

Alda - A artista
Alda - Apresentação do projeto
Alda - Encontro com marina à vista
Alda com a filha Alice
Alda connosco 
Quando desembarquei do avião que me levou até S. Miguel, Açores, ocorreu-me a ideia de entrevistar um conterrâneo nosso ali radicado, desde que tivesse uma história de vida interessante para partilhar com os leitores do Timoneiro. Mal as redes do ciberespaço denunciaram a nossa estada em Ponta Delgada, logo surgiu, com toda a naturalidade, a Alda Casqueira Fernandes, Educadora de Infância, casada com um transmontano, uma filha e residente em S. Miguel desde 2001. Aprazado o encontro para uma esplanada, com vista para a Marina, a Alda surgiu sorridente e notoriamente satisfeita para uma conversa com “gente da nossa terra”, que “soube a pouco”, no dizer dela.

«Vivo em São Miguel, desde setembro de 2001, fará no dia 27 de setembro 15 anos que aterrei aqui pela primeira vez. Foi também a primeira vez que andei de avião e fi-lo logo após o fatídico 11 de setembro, o que tornou esta minha experiência marcante, pois quem me levou ao aeroporto não me pôde acompanhar até ao embarque», disse. E acrescentou que não foi difícil a adaptação, pois foi acolhida por colegas e amigas de curso, nomeadamente, uma da Gafanha da Nazaré e outra de Fermentelos. «O ambiente escolar era agradável e fui muito bem recebida. O que me custou mais foi abandonar a família e a minha vida das canções. Foram esses os motivos que mais me prenderam e me impediram de vir para cá, mal terminei o meu curso. Mas alguma vez tinha de ser», afirmou.

sexta-feira, 3 de junho de 2016

A excursão

Um texto de Joaquim Duarte 


São decorridos uns bons 30 [60] anos, a passar, desde que se fez aquela excursão ao Sul, organizada pelo Mestre Rocha, figura ímpar da Gafanha, homem de acção, e a quem se deveu, pode dizer-se, o primeiro estudo aéreo fotográfico da Gafanha da Nazaré! Tratando-se, embora, de um homem de reduzidas habilitações literárias, soube valorizar-se à custa de grande esforço. Na sua humildade, mas de personalidade bem vincada, dominou muitos anos a política local, desempenhando a preceito o papel de presidente da Junta de Freguesia. Na Aviação, em S. Jacinto, soube guindar-se pelo seu aprumo e saber — era um excelente artífice — até chegar ao posto de Mestre entre o pessoal civil que, ao longo de várias décadas, tem dado o melhor do seu esforço, primeiro no Ministério da Marinha e depois, como actualmente, à Força Aérea. 
O Mestre Rocha, para além disto tudo, e daquilo que fica por mencionar, era ainda um excelente organizador, como provou na excursão que fizemos, e eu também tive oportunidade de seguir viagem ­— integrado à última hora por falta de confirmação de uns tantos.
A fotografia que ilustra o texto mostra algumas figuras da Gafanha, umas ao serviço da Aviação e outras que se integraram talvez pelas mesmas razões a substituir os faltosos…
Alguns nomes citados ao acaso, e sem preocupação de prioridade, poderão ajudar o provável leitor a descobrir na foto, esvaída pelo tempo, algumas dessas figuras. O Merendeiro, de cócoras ao meio, o Catraio, pintor, as manas Caleiro, o Cirino, cunhado do Júlio de Aveiro, que se encontra nos Estados Unidos, o Batista, pintor, muito da casa do Dr. Ribau, ao lado da mulher, o João, alfaiate, que morava lá para os lados da Cale da Vila, o autor destas linhas [Joaquim Duarte] metido entre o Batista e o João Pinto Reis, recentemente falecido. Penso que a foto foi tirada pelo então sargento Pinheiro, como se pode avaliar pela presença da esposa. Outros ainda como o João, fundidor, que vive em Aradas, o Carvalho latoeiro, as consortes …
Julgo que a fotografia foi tirada em Colares e falta aqui o Professor Ramos, que também ia na excursão e quase nos fez perder tempo no cumprimento do horário — o Mestre Rocha era compreensivo — quando o Senhor Professor ficou estático a admirar as ruínas de Conímbriga e nada fazia retirá-lo da posição de postura, sonhando talvez, com a ida e vinda dos romanos pelas galerias a descoberto!
Tempos que foram e jamais voltam, mas que marcam um período, uma época, de desenvolvimento da Gafanha…

Joaquim Duarte

Nota: Texto e foto publicados no “Boletim Cultural” da Gafanha da Nazaré, n.º 3, com data de 1989.

terça-feira, 10 de maio de 2016

Artesanato: Hortência Margaça aposta no mundo infantil


Hortência Margaça, artesã da Gafanha da Nazaré, aposta no mundo infantil, seja para uso de crianças, seja para brincar ou decorar. Trabalha imenso, porque precisa de governar a vida. Não é pessoa acomodada. Um dia encheu-se de coragem e resolveu enfrentar as dificuldades que lhe surgiram no caminho. O artesanato criativo foi a sua opção.
Encontrámos a Hortência, mais conhecida por Batita entre familiares e amigos, numa exposição-feira de artesanato no Glicínias, em Aveiro, em hora de atendimento de clientes, que passaram, viram, pararam e compraram. Depois falámos com ela e compreendemos o seu entusiasmo pelo que faz e pelo que projeta fazer. Não revelou as suas ideias na íntegra. Contudo, percebemos que vai apostar em criações didáticas. O resto será segredo, por enquanto.
A Hortência começou a bordar aos seis anos e a seguir enfrentou desafios maiores, passando por pontos e mais pontos de costura, Arraiolos e a confeção de bonecas de todos os tamanhos e feitios, mas também para todos os gostos e preços. E de tal modo se tornou conhecida e apreciada nesta área, como em outras, que a Editorial Nascimento até a convidou para fazer uma edição de costura criativa, intitulada “Costura Bonecas 2”, na qual apresentou diversos modelos e moldes, com tudo exemplificado, passo a passo. Em março saiu outra revista, “Feltro”, com artes decorativas. Ambas completamente preenchidas com as suas criações.

quinta-feira, 14 de abril de 2016

Carlos Sarabando: O homem não pode ser uma ilha na sociedade

Carlos Sarabando Bola
Carlos Sarabando Bola, 76 anos, casado com Maria Madalena Gonçalves Anastácio, a sua Lena, dois filhos e netos, foi agraciado pela Câmara Municipal de Ílhavo no Dia do Município, segunda-feira da Páscoa, com uma condecoração honorífica — Medalha do Concelho em Vermeil —, por se dedicar «desde muito novo ao voluntariado, dando o melhor de si na construção de um Município sólido e próspero, através da sua participação ativa em várias associações culturais, sociais, desportivas e religiosas, em que foi dirigente, sempre com o espírito de serviço à comunidade e inquestionável amor à causa», como reza a nota lida na cerimónia camarária.
«O mérito que me foi atribuído pela CMI não é só meu porque devo muito à minha mulher, a Lena, que me acompanha na vida com o seu apoio; quantas vezes, quando eu estava desanimado e com vontade de sair de tantas ocupações, era ela que me estimulava a continuar, dando-me uma força especial para eu prosseguir», garante-nos o Carlos Sarabando.

quinta-feira, 31 de março de 2016

Recordando: II Congresso da CNIS

Há muitos portugueses que se entregam, 
com entusiasmo, 
ao serviço dos feridos da vida

No Gabinete de Imprensa
Tive o privilégio de participar, como convidado, no II Congresso da CNIS (Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade Nacional), que se realizou em Fátima no último fim de semana de janeiro de 2006. E digo que foi um privilégio porque tive o grato prazer de reencontrar centenas de dirigentes e funcionários das IPSS, que há muitos anos se dão, com total entrega, à causa da solidariedade social no nosso País. 
Quando se prega que a nossa sociedade é egoísta, onde cada um procura resolver os seus problemas, muitas vezes pisando quem encontra pela frente, é justo sublinhar o trabalho e o esforço de tantos dirigentes que vivem, no dia-a-dia, o voluntariado, sempre em favor dos feridos da vida. 
Foram essas pessoas, de todas as idades, que, durante dois dias, equacionaram obstáculos e formas de os ultrapassar, que trocaram experiências no sentido do enriquecimento mútuo, que encontraram outras e bem diversas realidades, que se indignaram com a lentidão com que os problemas da solidariedade social são resolvidos, com o abandono a que são votadas instituições, por parte de departamentos estatais. 
Foi gratificante sentir e ficar a saber que as IPSS portuguesas representam uma “expressão única na Europa”, obviamente pela positiva, que houve gente que saiu do congresso com vontade de fazer mais e melhor na luta contra pobreza, contra a marginalidade, contra as dependências e contra a solidão de tantos. 
Foi muito bonito ver gente jovem a dialogar com os mais velhos, uns e outros aprendendo e ensinando, numa perspetiva de criarem, nas suas instituições, alternativas a processos talvez obsoletos, ou de responderem a novos desafios que a sociedade e as pessoas vão sentindo, não raro envergonhadamente. 
Por tudo isso, valeu a pena ter estado dois dias com tanta gente generosa e de sorriso franco, e com muito optimismo em relação ao futuro. 

Fernando Martins 

Janeiro | último fim de semana | 2006

quarta-feira, 16 de março de 2016

Rosa Elvira: Nem à mesa se fala por causa da televisão

 Uma servidora da igreja de São Pedro há 25 anos

Rosa Elvira Teixeira
Rosa Elvira Teixeira, 87 anos, está ao serviço da Igreja de São Pedro da Cale da Vila, Gafanha da Nazaré, há 25 anos. Tem a responsabilidade de abrir a igreja antes das cerimónias, de cuidar com outras pessoas da limpeza e asseio do templo e de preparar tudo para a celebração da Eucaristia. E depois de os serviços litúrgicos terminarem não regressa a casa, mesmo ao lado da igreja, sem antes verificar se fica tudo em ordem. Recebeu este mandato, como faz questão de explicar, de seu pai, José Fernandes Casqueira, mais conhecido por José Parrachoche, primeiro sacristão da igreja de São Pedro. 
Garante, para que não haja dúvidas, que tudo faz de graça, pelo «carinho especial que tem pela capela [é assim que se refere à igreja] de São Pedro», mas ainda por querer cumprir o pedido de seu pai, na altura adoentado. Faleceu aos 95 anos, tendo sido o mais velho trabalhador durante a construção do novo templo, sendo pessoa muito respeitada na Gafanha da Nazaré.

terça-feira, 15 de março de 2016

Nossa Senhora dos Navegantes

27 vídeos no You Tube


«A festa de Nossa Senhora dos Navegantes tem como maior atracção a procissão náutica pela Ria de Aveiro, num itinerário com início no Cais dos Bacalhoeiros e termo no Forte da Barra, contornando todo o porto de pesca longínqua («bacalhoeiro»), terminal industrial e o novo porto comercial.
Realiza-se no terceiro domingo de Setembro.»

Gafanha da Nazaré, Ílhavo, Aveiro

Ver Comunidade Portuária de Aveiro

domingo, 13 de março de 2016

Almoços para estimular o sentido de partilha

No Centro de Recursos Mãe do Redentor 

Voluntários - Cozinha
No passado domingo, 28 de fevereiro, realizou-se mais um almoço comunitário, no Centro de Recursos Mãe do Redentor. Salão cheio para 170 refeições, a 15 euros por pessoa, cujo lucro económico reverterá para as múltiplas despesas de uma comunidade católica ativa como a da Gafanha da Nazaré. Dizemos económica porque há outras vertentes tão ou mais importantes do que o dinheiro. Referimo-nos, concretamente, como bem salientou o Padre César Fernandes, ao espírito de partilha e de unidade, envolvendo pessoas de todos os lugares da paróquia. Mas ainda há uma mesa, de há dois anos para cá, de paroquianos da Encarnação, os quais se mostram gratos desta forma pela maneira como o povo da Nazaré colaborou em iniciativas do género daquela paróquia, em prol da igreja da Senhora da Encarnação.

Aspeto do salão
Entrámos na cozinha perto das 13 horas. Ia iniciar-se a refeição e a azáfama era enorme naquele espaço fulcral, porque o desejo de quem ali trabalha tem sido o de servir muito bem, porque é fundamental estimular o gosto de estar presente nestes almoços.
Custódia Lopes, que colabora nesta tarefa há bons anos, disse que os trabalhos começam na sexta-feira anterior, com a preparação do salão, e no sábado a cozinha entra em ação com os cozinhados e outros preparativos. 
Para este almoço, a azáfama começou no sábado. O chefe da equipa, Manuel Sardo, fez a aquisição dos ingredientes necessários, e toda a gente entrou em funções, sem margem para erros. A sopa de legumes fica por conta do chefe, «que não deixa ninguém pôr lá as mãos», garante a Custódia. 
O “bacalhau à chefe”, que é passado por farinha e ovo, com uma pequena fritura, vai depois ao forno, a que se acrescenta uma cebolada. É acompanhado com batata cozida. Afirma a Custódia que as sobremesas tinham salada de frutas e doces oferecidos por alguns participantes. Vinhos e sumos são da conta da organização.

Serviço das mesas
Operam na cozinha seis pessoas e cinco no serviço das mesas. 
À volta dos tachos estava a Maria José, que alinha nesta cooperação desde que Manuel Sardo assumiu os almoços comunitários. E garante, com sorriso aberto, que na cozinha a sua especialidade «é fazer o que for preciso». Aliás, o sorriso era apanágio de toda a equipa. 
A Maria José faz isto com gosto, tal como o seu marido e os demais que por ali se movimentam apressados, mas com ordem. Falou sem suspender o que estava a fazer.
Carlos Sardo dirige o serviço das mesas, sublinhando que a missão de todos é oferecer «o melhor possível para que todos se sintam bem e com vontade de voltar». «Há o cuidado de cozinhar com qualidade e de apresentar os pratos com gosto», frisou. E acrescenta que cada servidor das mesas atende 30 a 40 pessoas. 
Sobre a animação, que porventura possa haver, Carlos Sardo adianta que só existe quando há alguém disponível para tocar e cantar.
Luís Conceição, que participa na qualidade de membro do agrupamento dos escuteiros, diz que vem ajudar para bem da comunidade, «sempre que necessário», reconhecendo que «o convívio aproxima as pessoas e desenvolve o sentido de partilha». Lembrou ainda que, como escuteiro, está «Sempre Alerta para servir». E refere que gosta desta organização, salientando: «Em equipa que serve bem não se mexe, mas pode ser reforçada.»

Fernando Martins

Nota: Texto publicado no Timoneiro; Fotos de Custódia Lopes

terça-feira, 1 de março de 2016

Unção dos doentes e idosos na igreja matriz

É difícil aliviar o sofrimento dos doentes, 
mas não é impossível minimizar as suas dores

Doentes e idosos 


Padre César
Padre Sarrico 

«É nossa missão neste mundo dar frutos de bondade, de misericórdia, de ternura, de amor, de acompanhamento do outro e de porto de abrigo para aqueles que estão em situações mais débeis», afirmou o nosso prior, Padre César Fernandes, na homilia da Eucaristia dedicada aos doentes e idosos da nossa paróquia, celebrada no domingo, 28 de fevereiro, pelas 11h15, na igreja matriz. Com o nosso prior, concelebrou o Padre João Sarrico. Foi uma Eucaristia especial, porque nela foi ministrado o sacramento da Unção dos Doentes. 
Alguns idosos e doentes mais debilitados foram ajudados na deslocação à nossa igreja pelos seus familiares. Utentes do Lar Nossa Senhora da Nazaré também participaram, por expressa vontade dos mesmos, contando com a ajuda de dirigentes e funcionários, que neste dia, fora das horas de serviço, levaram à prática o seu espírito de voluntariado.

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Filarmónica Gafanhense com novos corpos sociais

Projetos em parceria com escolas da região 
na agenda da nova direção

Novo presidente profere discurso de tomada de posse
No dia 20 de fevereiro deste ano, reuniram-se os membros dos Corpos Sociais da Filarmónica Gafanhense, eleitos no passado dia 13 de fevereiro, a fim de formalizarem a tomada de posse para o biénio 2016/2017. 
Na sua intervenção, o novo presidente da direção, Paulo Miranda, agradeceu o voto de confiança que lhe foi dado e salientou que conta com o apoio de toda a comunidade para engrandecer esta instituição com 180 anos de vida. Disse que «é tempo de mostrar mais uma vez que desafios existem sempre e que estaremos aqui para dar o corpo ao manifesto para engrandecer esta nobre associação», enquanto referiu que também «é tempo de mostrar às gerações anteriores que não passaram dificuldades em vão» e que temos de «mostrar que estamos vivos e diligentes». 
Garantiu que «o nosso futuro a nós pertence», prometendo «manter e melhorar as relações com as entidades aqui presentes e com as demais».

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Bolos doces com ingrediente secreto

Venda habitual aos missas
dos fins de semana 
nas igrejas da Gafanha da Nazaré


Manuel Sardo, Mariana Sardo e Milu


No domingo, 7 de fevereiro, na missa das 11h15, deparámos com pessoas amigas a vender bolos doces à porta da igreja matriz. Passámos por elas inúmeras vezes, mas pouco sabíamos das suas intenções e trabalhos. Desta vez, para matar a curiosidade, fomos ouvi-los. 
Manuel Sardo, sua esposa Mariana e Maria de Lurdes Sardo (Milu) lá estavam à porta da igreja a fazer o seu negócio, com a convicção de que haveria venda garantida. 
Manuel Sardo informa que o lucro da venda dos bolos se destina «às muitas despesas da nossa paróquia, com três templos para cuidar», para além dos múltiplos gastos com as diversas e constantes atividades.
A venda é feita nas missas dos fins de semana, tanto na matriz como nas igrejas da Chave e Cale da Vila, em alternância com os escuteiros, que também precisam de angarias fundos para as ações que desenvolvem e para a nova sede que vai ser construída.
A equipa dos bolos doces é constituída pelas pessoas já referidas e ainda pela Custódia Lopes e Pedro Fidalgo, o nosso dinâmico sacristão. É dele o forno para cozer os bolos e o trabalho de preparar a massa.

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Convívio de Natal da Obra da Providência

A Obra nasceu de corações 
que sabem o que é o amor

Fernando Caçoilo, D. António Moiteiro e Eduardo Arvins
«Obra da Providência significa Obra de Deus», sendo importante sublinhar que «as obras não existem sem os que nelas trabalham, dando o seu melhor dentro do carisma da mesma obra», referiu D. António Moiteiro, no jantar de convívio promovido pela direção da instituição, em espírito natalício, no dia 20 de janeiro. 
O palco deste jantar foi um restaurante da nossa terra e contou com a participação do nosso bispo, do pároco da Gafanha da Nazaré, Padre César Fernandes, dos presidentes da Câmara e da Junta, respetivamente, Fernando Caçoilo e Carlos Rocha. Naturalmente, presentes ainda dirigentes e ex-dirigentes, trabalhadores e respetivos cônjuges, amigos e colaboradores da instituição, uns mais recentes e outros de longa data.
O Bispo de Aveiro lembrou o Ano da Misericórdia em curso, sob proposta e desafio do Papa Francisco, frisando que todos «somos chamados à prática das Obras de Misericórdia». Disse que «os santos não são aqueles que fazem milagres, nem aqueles que fazem grandes obras, mas os que fazem outros santos à sua volta». «Nós não entenderemos as Obras se não entendermos as pessoas, e as pessoas só se entendem com os seus sentimentos», frisou. 
O prelado aveirense referiu que nós precisamos de conhecer as instituições, salientando que «a Obra da Providência nasceu de corações que sabem o que é o amor». E sobre a comunidade eclesial e seus projetos, adiantou que «a nível da Igreja não há patrões, mas servidores». 
Informou que esta instituição nasceu para fazer o bem na sua paróquia e somente depois é que procurou a Diocese, que lhe deu “Missão Canónica”, isto é, que tem por fundamento essencial «viver o Evangelho». 
Por sua vez, Fernando Caçoilo, autarca ilhavense, afirmou que nos cabe, «no mundo globalizado, contribuir para uma sociedade melhor, dentro das nossas possibilidades», sendo «mais solidários». E disse que «uma instituição como a Obra da Providência merece que estejamos sempre a seu lado, tanto a Câmara como a Junta de Freguesia». 

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Efeméride Gafanhoa

14 de Janeiro de 1912


Bênção da nova igreja matriz 
da Gafanha da Nazaré

Conforme lembra o Padre Resende, em artigo publicado no jornal “O Ilhavense”, em 1958, a nova matriz da Gafanha da Nazaré foi inaugurada em 14 de janeiro de 1912, «a cuja bênção» assistiu. Refere que é uma igreja «cheia de luz e digna do seu fim», tendo sido o resultado da «febre e gosto da autonomia». Porém, Nogueira Gonçalves informa, no seu “Inventário Artístico de Portugal”, que o novo templo foi inaugurada em 1918. 
Sabendo-se que a pedra de ara foi transferida da primeira matriz para a igreja em construção, é certo que a missa deixou de ser celebrada na Chave. Mas como o Padre Resende diz que assistiu à bênção naquela data, não podemos duvidar. As obras continuaram e é de supor que mais tarde tenha havido qualquer cerimónia tida como festa de inauguração.